30 de janeiro de 2012

O casamento da borboleta negra- Capitulo 11


                Depois que os dois saíram Lovely se virou para as duas fadas e disse:
                -Pode me dizer quando pareceu uma boa ideia socar eles e  lançar bolas de fogo.
                -Deveria perguntar quando NÃO foi uma boa ideia- Ice respondeu- Não é Kai?
                -É- Kaila respondeu.
                -KAILA!!!!!
                -Desculpa, eu me empolguei.
                Giselle desceu as escadas correndo com um prato de biscoitos.
                -Cosegui salvar esse, e obrigada por ter vindo Lovely.
                -Bem, uma hora a gente tinha que vir a gente tem q voltar para casa.- Ela disse
                -Mas agora? – Kaila perguntou.
                -Claro, deixamos as nossas bonecas nos substituindo, e elas não podem dormir até voltarem a serem bonecas, bonecas também tem que descansar.
                -ONDE É QUE VOCÊS ESTAVAM?!!!!! Tem ideia de como estamos cansadas!!!?-A boneca de Lovely disse
                -Desculpe, foi uma dia longo para nós também, mas fala baixo por favor- Lovely pediu
                -Eu sei que estavam muito ocupadas- A boneca de Ice disse- Mas estamos muito...
                -Se estão tão cansadas vão dormir logo- Ice disse com os braços cruzados
                As três bonecas voltaram a sua forma normal feita de pano, cada uma pegou a sua boneca.
-Rápido, guardem elas na minha mochila, que horas são Ice?-Lovely disse
-Já passou das 11 da noite.
-Vocês vão dormir aqui? Ou na outra casa?- Lovely perguntou
-Já devem ter trancado a outra casa, eu não vou atravessar aquela floresta para depois voltar, a sua cama é grande, não é?
-Eu vou dormir numa cama de casal.
-Ah! A Kaila é pequena a gente se espreme.
-Acho que prefiro a minha cama de flor.
-Vamos ficar parecendo um ninho de raposas fadas - Lovely disse rindo
-Pelo menos vou ficar livre daquelas flores- Ice falou.
-A que horas vocês foram dormir ontem a noite?
-Não lembro, mãe eu to com sono- Lovely resmungou
-Dormiram tudo ai junto como um ninho de rato?
-Hum- Lovely continuou resmungando e voltou a dormir
Quando a mãe de Lovely saiu ela levantou a cabeça e disse:
-Vamos voltar para Magictopia agora ou mais tarde?
-Mais tarde- disseram as duas.

28 de janeiro de 2012

O casamento da borboleta negra- Capitulo 10


                -Sua prima é sempre assim?
                -Assim como? Ela sempre foi forte, até quando ainda não tinha os seus poderes.
                -Não, eu não quis dizer isso.
                -Ah fala do fato dela quase ter te matado, se ela quisesse mesmo te matar, você não ficaria com essa cicatriz, a espada dela pode cortar tudo, ela poderia te cortar ao meio, não acho que ela teria coragem, ela parece meio durona e fria, mas por dentro ela não é tão má.
                -Falando nisso, Lovely, é melhor você ir para o castelo, Giselle acabou de me avisar que suas primas se estranharam com dois elfos, bem apesar de eu ser como uma parente distante vou deixar você resolver isso sozinha.
                -Mas por acaso hoje é dia de socar garotos? Primeiro a Ice deixou o Zair com uma cicatriz, depois a Samanta quase estrangulou o Edru, e agora isso. Bem, Zair é melhor ficar aqui, a minha prima ainda deve estar brava com você.- Ela disse voando em direção ao castelo
                -ICE!!!! LARGA ELE!!!!- Lovely gritou.
                A fada do gelo estava sentada nas costas dele puxando o cabelo dele com força.
                -Já disse para largar ele Ice. Olha o tamanho dele.
                -Eu não tenho medo de ajudantes do papai Noel. Muito menos de elfos super crecidos.
                Kaila estava xingando um menino um pouco mais velho que ela, parece que ele tinha empurrado ela, seu rosto estava vermelho, mas não era com isso que Lovely estava preocupada, Kaila estava com uma bola de fogo na mão.
                -Kaila! Larga isso!
                -Vou largar na cabeça desse idiota.- Ela disse chorando
                A bola de fogo voou e quase acertou o Elfo menor, mas ele desviou e a bola queimou a parede.
                -É hoje...- Lovely suspirou.
                Ela foi em direção a Ice e o Elfo maior pegou os dois pela nuca e disse.
                -Muito bem, quero saber o que aconteceu aqui, e eu juro que se não falarem logo vão virar comida de planta.
                -A gente ia comer os biscoitos quando esses dois esfomeados apareceram- Ice começou- São piores que os nossos primos, pelo menos os nosso primos deixam um pouco de comida, aquele empurrou a Kaila e ela caiu no chão, os dois comeram todos os biscoitos em menos de dois segundos, depois esse ai- ela disse apontando para o garoto que Lovely segurava- enfiou a cabeça no forno para procurar mais...
                -E essa maluca me chutou!!!- O elfo maior disse.
                -Eu nãote chutei, estava te dando uma ajuda para procurar os biscoitos...Com o meu pé!!!
                -Eu bati a minha cabeça no fundo do forno.
                -Então vamos ter que trocar de forno, é uma pena que o forno não tava ligado, por que se estivesse você ia virar leitão assado.
                Lovely colocou a mão na cabeça massageando como e estivesse com uma baita dor.
                -Tá- Ela começou- Vou tentar adivinhar o que aconteceu depois, a Kaila começou a bater nele por ter empurrado ela e você começou a socar ele por ter comido os biscoitos, né?
                Ice ficou em silencio, mas parecia que estava feliz de ter chutado o garoto para dentro do forno e depois puxado ele pelos cabelos.
                -Bre e Oye- Lovely disse para os dois elfos- Tem um remédio lá em cima, vai passar alguma coisa nesse galo, e nessas queimaduras, e trás um curativo para a Kaila
                Bre era o irmão mais velho, e Oye o mais novo, Eles voltaram com um pacote de curativos que Lovely colocou em Kaila.
                -Agora que vocês dois já comeram podem voltar para o castelo, e por favor, podem passar na oficina de Tameria buscar um garoto chamado Zair, mostrem o quarto dele.
                -Valeu por nos salvar Lovely- Bre disse
                -Eu não precisava da ajuda dela- Oye falou seguindo o irmão.

25 de janeiro de 2012

O casamento da borboleta negra- Capitulo 9


                A cozinha do castelo era muito especial, Lovely que havia organizado, se quisesse alguma coisa era só abrir o armário certo que ela ia aparecer
                -Zair, pode pegar o chocolate naquele armário, por favor?
                -Como isso é possível, o armário estava vazio!!!
                -Mas você é um novato mesmo Zair.-Lovely disse rindo e se virando.
                Quando ela se virou Zair sacou a faca que Leandro tinha dado, ia ser muito rápido, ela nem saberia o que a atingiu “Que pena, queria que ela sofresse”
                -Ah! Uma faca, era isso que eu tava precisando- Lovely disse pegando a faca dele- Que cheiro é esse?- Ela disse cheirando o ar- Essa faca esta envenenada!!!
                “É agora que ela me descobre e eu sou trancafiado para sempre naquela cela imunda”
                -Zair, sabe em que dia estamos? Acho que é lua cheia, Isso significa que o Daniel está livre.
                -Daniel?- Zair disse tentando disfarçar o seu pânico.
                -Ele é um feiticeiro que quer me matar, só por que eu fiz ele ser castigado por uma deusa.
                -Sério?
                -É um pouco infantil se quer saber, ele só virou humano, e é claro, só tem os seus poderes na lua cheia, mas não sei o que tem de tão ruim em ser humano. Mas apesar de tudo é legal lutar contra ele, ele é o único que não tem medo de me enfrentar.
                “O que tem de ruim em ser humano? Eu queria poder... Mas não perdi nenhum dos poderes quando virei humano, só que agora tenho sentimentos, por que eu queria tanto deixar de ser humano?”
                -Zair, pode ver se os biscoitos estão prontos, depois vamos colocar o chocolate derretido.
                Zair tirou os biscoitos do forno e colocou na mesa.
                -Pode pegar alguns para você, quando as minhas primas chegarem elas vão comer tudo. -Ela disse guardando a faca numa gaveta vazia
                -Sua arma está pronta- Tameria disse entregando uma espada longa e fina- Agora quero que suba nela.
                Zair obedeceu e a espada virou uma espécie de prancha e começou a voar.
                -ISSO É DEMAIS!!!!-Ele disse gritando lá em cima
                Quando Zair desceu Lovely apontou uma flecha para ele. “Eu sabia, uma hora ela ia descobrir” Lovely lançou a flecha e Zair se protegeu com a sua espada, a flecha se quebrou.
                -Belo trabalho Tameria, não é sempre que alguma coisa consegue quebrar as minhas flechas. Vou lançar mais uma, ve se consegue quebrar Zair.
                Lovely lançou mais uma flecha, mas dessa vez acertou bem no peito de Zair. As duas correram em direção a ele.
                -O que você estava sentindo Lovely?- Tameria perguntou.
                -Acho que estava alegre, ele tá sangrando?
                -Não, flechas de alegria não fazem as pessoas sangrarem, é meio difícil dizer o que elas fazem, são flechas muito imprevisiveis
                -Zair, você esta bem?
                Zair olhou nos olhos um tanto preocupados daquela fada, ela ajudou ele a se sentar e disse:
                -Não, eu estou bem...
                -Puxa, que susto,achei que tinha te machucado. Se bem que com a surra que você levou da minha prima um flecha não é nada- ela disse ajudando ele a se levantar

23 de janeiro de 2012

O casamento da borboleta negra- Capitulo 8


-Uma arma?- Tameria perguntou- Que tipo de arma? Uma espada? Um arco e flecha?
-Uma espada- Ele disse, Lovely havia quebrado a sua antiga espada “Precisa de uma arma inquebrável dessas” Foi isso que ela tinha dito um tempo atrás.
-Eu queria fazer uma espada diferente há um tempo, não vai ser tão grande e pesada como a espada da Ice, mas ainda assim vai ser especial.
-O que está planejando Tameria?- Lovely perguntou
-É uma surpresa, mais uma coisa, vou precisar do seu amuleto.
Zair colocou uma estrela de sete pontas na mesa.
-Um símbolo de feiticeiro? É raro encontrar um feiticeiro por aqui em Magictopia. Nunca sei a diferença entre feiticeiro e um Mago.
-Deve ser por que o símbolo dos magos é um sol, e o sol é uma estrela -Zair disse.
-Você pode vir buscar a sua nova espada amanhã.- Ela disse.
De volta na escola havia uma briga entre Samanta e Edrudao, os dois tinham a mesma idade, desde que Samanta tinha entrado na escola ela tinha se estranhado com os alunos cavaleiros. Não era para menos, cavaleiros e amazonas tinham uma historia muito complicada, talvez fosse mais fácil se os cavaleiros não fossem tão machistas e as amazonas tão feministas. É claro que Lovely se dava muito melhor com Samanta, também por que os caçadores não gostavam da sua melhor amiga, Diere.
-Vocês querem parar de brigar?
-Ela que começou, amazona estúpida, tinha que ser uma mulher.
-Eu juro que vou fazer você engolir essas palavras junto com o meu punho.
-Espere só até você estar sozinha, eu e os outros cavaleiros vamos acabar com você, nenhuma amazona vai ousar por os pés nessa escola novamente.
-O que eu disse sobre lutar contra alguém em desvantagem? Isso é um ato de covardia.
Uma coisa que um cavaleiro não suporta é ser chamado de covarde, Lovely se aproveitava disso para evitar que os cavaleiros atacassem Samanta todos juntos.
-Como vai a sua amiga Diara? Ainda treinando aquele dragão?
-É Diere, e sim, ela ainda cuida do Taiff.
-Isso é uma estupidez todo mundo sabe que cuidar de um dragão é o trabalho de um cavaleiro. E não de uma fada, muito menos alguém como ela.
Lovely pegou Samanta pela mão e foi embora arrastando ela e Zair. Samanta olhou para Lovely um pouco irritada e disse:
-Você deveria ser mais corajosa, ele não devia falar assim da Diere.
-Ele é 5 anos mais novo que eu, não posso lutar contra ele ou ficar brigando com ele.
-Você faz isso com a Ice.
-Isso é diferente, ela é a minha prima, é normal nós brigarmos um pouco. E você deveria aprender a ser mais paciente. E, você sabe se mais amazonas vão vir estudar aqui?
-Elas não gostam de ter contato com as pessoas do mundo de fora, mas minha mãe achou interessante eu conhecer outras pessoas. E eu não vou deixar o Edrudao falar besteiras na minha frente. E ele tem um irmão da sua idade que fala tantas besteiras quanto ele, e você não faz nada.
                -Não vou discutir com aquela besta Samanta, se eles querem ser estúpidos, deixe eles. Eles não vão mudar nada, você vai continuar sendo uma ótima lutadora, e Diere vai continuar cuidando do Taiff. É melhor você ir para casa.
                -Você que acaba com as brigas aqui?- Zair perguntou.
                -Só às vezes, eu até que gosto de um boa briga, mas as vezes eu tenho que impedir que os alunos se matem. Ei! Quer me ajudar a fazer biscoitos?
                -Fazer oque?
                -Biscoitos, minha primas sempre me ajudam a fazer, mas agora a Ice está muito ocupada escolhendo as roupas que vai usar no casamento. E a Kaila está na casa dela brincando com os nossos primos.
                “Essa é a minha chance de mata- lá, todas vão estar muito ocupadas”

22 de janeiro de 2012

Mitologia: Carranca

Como eu gosto de dizer carrancas são como gárgulas brasileiras, a unica diferença é que elas são feitas de madeira. Antigamente eram usadas nas proas (a parte da frente do navio) dos navios que navegavam pelo rio São Francisco.
Hoje em dia as pessoas usam como decoração para afugentar os maus espíritos, mas pelo que eu entendi elas eram usadas para chamar a atenção das pessoas, quando a embarcação chegava.
Elas geralmente possuem dentes compridos e afiados, um cabelo (ou seria juba) comprida, e uma expressão zangada, mistura de arte e magia.
Como eu já contei, meus tios colocaram uma na escada da casa de praia, para eu e as minhas primas não subirem, mas eu disse que elas não precisavam ter medo e que a cara dela podia ser até engraçada, principalmente quando eu desenhava ela com um dente cariado, ou um pé de feijão saindo do ouvido dela. (nada melhor do que rir para afastar os medos, e para falar a verdade algumas carrancas parecem até que estão rindo).
Há uma historia muito bonitinha sobre a carranca, consegui nesse site: http://jornalcarranca.com.br/jornal/secoes/secoes2.asp?secao=48259913&subsecao=96540033&nomesubsecao=Mitos:::e:::Lendas&pagina=1


"Meu avô sempre ia pescar com meu tio-avô, nuns rios que tinham aí pra cima. Meu tio sempre falava pra tomar cuidado com o caboclo d´água, uma mistura de homem e macaco que vira a canoa para comer as pessoas. Meu avô num acreditava em nada disso. Mas um dia ele tava pescando, a canoa começou a bambear. Quando ele viu uma mão agarrada na borda, ele tirou o facão e cortou. Era a mão do caboclo d´água, ela era preta com umas coisas assim no dedo que nem pato. Ele guardou isso até as vésperas de sua morte. A carranca é pra isso, o caboclo d´água vê aquela cara mais feia que ele e vai embora". - conta Chico Chagas, um "carranqueiro" (entalhador de carrancas) à equipe da Expedição Américo Vespúcio (americovespucio.com.br).





Antes de eu acabar, alguem tem alguma sugestão para o post da semana que vem? Senão vou postar sobre sombras

21 de janeiro de 2012

O casamento da Borboleta negra- Capitulo 7


-Fico feliz que tenha saído da enfermaria, como está o seu peito?- Lovely perguntava para Zair enquanto estavam no corredor do castelo.
-Ainda está doendo, do que é feita aquela espada?
-A espada da Ice é feita de um cristal do Lírio do Inverno, quando eu gosto muito de uma pessoa, eu acabo criando uma flor que representa essa pessoa. Acho melhor você trocar a roupa, essa está suja de sangue, se eu fosse você tomaria cuidado, o Alex pode ser um amor, mas não pode ver sangue. Deve ter uma túnica no meu quarto.
-Você quis dizer um vestido.
-Pelo jeito você não gosta de coisas tradicionais, você só vai usar até as suas roupas secarem, pode entrar lá, não tem ninguém.
Zair abriu a porta, mas para a surpresa dele havia alguém no quarto, uma garota de longos cabelos ruivos, com as pontas brancas, quanto ela se virou, Zair pode ver que seus olhos eram negros, mas o que mais incomodou ele foi o fato dela estar sem roupas. Ele fechou a porta com força o que fez Lovely levar um susto.
-Você tá bem?- Ela perguntou.
-T-tem uma g-garota nua no seu quarto...
-Garota?
Lovely entrou no quarto e viu embaixo dos cobertores um par de pés e cabelos ruivos com pontas brancas.
-An...Melody... não acha que está um pouco grande para se esconder ai?
A garota saiu um pouco tímida e perguntou:
-Como sabia que era eu?
-Bem você tem pelos alaranjados e a sua cauda tem a ponta branca, sem falar que quando está com medo você se esconde na minha cama, pode me explicar por que você está quase da minha altura e perdeu quase todo o pelo?
-Bem eu virei humana...
-JURA???!!!! Eu nem tinha percebido.
-Foi um acidente, eu tava voando e bati na sua estante de poções, e uma delas caiu em cima de mim.
Lovely pegou o vidro no chão, era uma poção para se tornar humano, com duração de 5 dias.
-Bem Melody, você vai ficar assim até o casamento.
-O que? Mas como é que eu vou proteger você? Não consigo ver a alma das pessoas assim, e se alguém quiser te matar?
-Ninguém vai me matar Melody. Não se preocupe, agora vista essa roupa, pode ficar um pouco grande.
Melody vestiu o vestido que Lovely deu para ela.
-Ficou legal em você- Ela disse.
-Eu já posso entrar?- Zair perguntou
-Já- Lovely disse- Essa é a Melody, a minha raposinha fada, ela tomou uma poção para virar humana.
-Desculpe pelo susto- Melody disse.
-Tudo bem...- Ele respondeu
-Pode se vestir, a gente vai sair- Lovely disse arrastando Melody
-Como eu fiquei?- Zair perguntou saindo do quarto.
-Parece um feiticeiro do século X- Lovely disse.
-Ou seja, tá brega- Ice disse enquanto passava pelo corredor.
-Não liga para ela. Lembrei de uma coisa, você não tem uma arma amuleto né? Vamos até a Tameria pedir uma...

18 de janeiro de 2012

O casamento da Borboleta negra- Capitulo 6


                Na enfermaria Ice estava deitada esperando o efeito da flecha passar. E Zair enfaixado por causa do corte.
                -Vocês estão bem? Lovely e Kaila entraram trazendo flores.
                -Deixe essas flores bem longe de mim, já basta as flores que estão cobrindo o castelo.
                -Essas são flores normais Ice.
                -Mesmo assim.
                -Tudo bem, mas nós vamos deixar a flores aqui para vocês.
                -Eu mereço- Ice disse.
                Uma fada da água encarregada de cuidar daquele quarto entrou carregando uma prancheta.
                -Tenho boas e más noticias, a boa noticia é que a paralisia vai passar logo, a má é que você vai ficar com uma cicatriz horrível depois que tirar esses curativos.
                -O que? Mas pensei que fada da água pudessem curar qualquer ferimento?
                -Isso não é completamente verdade, o fato é que uma arma amuleto está ligada aos sentimentos da sua dona, a única coisa que pudemos fazer é fechar o ferimento.
                -Não sei por que está reclamando, nem foi na sua cara, se bem que ficaria muito melhor- Ice disse.
                -Gente eu quero apresentar a vocês a minha mestra, Borboleta Negra, ou seu verdadeiro nome Delina- Giovana disse entrando.
                Uma mulher alta de cabelos longos e escuros entrou, ela usava um batom roxo, era a sua marca registrada, e tinha olhos roxos como o batom, um homem alto entrou ao lado dela, ele tinha cabelos escuros também e tinha algumas marcas no rosto, Giovana tinha dito que ele era um assassino talvez fosse normal ele ter cicatrizes, mas isso ainda deixava Lovely incomodada.
                -É um prazer conhece – lá, Giovana nos contou tudo sobre você, a sua historia e tudo.
                -Bem, fico feliz de tantas fadas jovens ouvirem falar de mim, esse é o meu noivo Luis.
                O homem acenou sem dizer nada, Lovely deu um tímido “oi”, mas parecia que Luis tinha medo da Giovana. A diretora Dara entrou mas assim que viu a Borboleta negra seu sorriso desapareceu.
                -O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AQUI!!!???
                -EU É QUE PERGUNTO, O QUE VOCÊ FAZ AQUI???
                -An.... vocês se conhecem?- Lovely perguntou
                -Dariana...
                -Delina...
                -Parece que temos duas rivais na sala...- Ice comentou
                -Duas o que?- Luis perguntou
                -É como uma alma gêmea ao contrario, como vocês duas se conhecem?- Giovana respondeu.
                -Achei que tinha me livrado de você, e ai, já conseguiu uma aprendiz?- Borboleta negra perguntou.
                -Xiii Giovana, se prepara, vão puxar você para a briga.- Lovely disse
                -Não, puxa! Sua aprendiz é a Giovana? Por que será que estou surpresa?
                -Pelo menos eu tenho uma aprendiz, mas é quase impossível encontrar uma fada que aguente a suas exigências.
                -Ainda não me respondeu, o que está fazendo aqui?
                -Eu vim me casar, uma de suas alunas nos convidou.
                -Quem poderia ser... Lovely...
                Dara se virou a tempo de ver Lovely tentar fugir pela janela voando, ela falou algo como sumir com as asas em latim
As asas de Lovely sumiram fazendo que ela batesse no telhado do andar de baixo.
-Serio, por mim não deveria existir feitiços em latim... Dara!!! Você sabe que fadas não precisam usar feitiços em latim né?
-É bem a cara dela falar em latim só para se mostrar, ela se sente tão inteligente- Delina disse
-Olhe como fala comigo, eu sou a diretora dessa escola.
-E eu sou uma assassina de caçadores.
-É uma maníaca por vingança isso sim.
-Eles mataram a minha família.
-Sua família era de caçadores.
-Pelo menos eu tinha uma família...
-Você não tem o direito de falar da minha família, nem conhece ela... Lovely- Ela disse olhando pela janela- quando sair daí quero que venha a minha sala.- E saiu nervosa.
-Ela podia pelo menos devolver as minhas asas...
Ice ajudou Lovely a subir de volta, dizendo como era estranho uma fada com medo de altura.
-Me lembrem de nunca tentar fugir da Dara voando, cara aquela queda doeu.- Lovely disse entrando pela janela
A sala estava como sempre, uma sala circular, com bancos grudados nas paredes, e estantes com objetos no mínimo curiosos, isso chamou a atenção de Lovely, de onde a diretora Dara tinha vindo? Quem era a família dela? Essas perguntas desapareceram quando Dara chamou a atenção de Lovely.
-Quero saber por que convidou Delina para fazer um casamento aqui em Magictopia?
-Bem, eu achei que seria legal, por que você não gosta dela?
-Porque ela é uma assassina, e aposto que o noivo também é, sem falar que ela é procurada por quase todos os caçadores do país, você acha mesmo seguro fazer o casamento dela aqui?
-Por isso mesmo, ela não pode usar os poderes dela, porque está grávida, por isso ela vai ficar aqui até o bebê nascer.
Dara deu um suspiro longo e falou:
-Apesar de eu não gostar dela, não posso recusar ajuda a uma fada, tudo bem, ela pode ficar.

16 de janeiro de 2012

O casamento da Borboleta negra- Capitulo 5


                Lovely estava em cima da árvore mais alta de toda a floresta, a mesma árvore que deu o ovo de onde Melody nasceu, Ela florescia, mas raramente ovos nasciam nela, de vez em quando um ovo caia em cima de uma pessoa, essa pessoa seria a dona do animal que sairia do ovo, era estranho sendo que as raposas fadas não nasciam de ovos. Perdida em seus pensamentos Lovely nem notou Alex lá embaixo.
                -LOVELY!!!! O que esta fazendo ai em cima?- Ele gritou
                “Lovely!!!” Zair pensou “É ela!”
                -Ah! Oi Alex! A Diere já me encontrou, vi você passar umas vinte vezes por aqui. Deveria ter olhado para cima.
                -Eu sei.
                -Quem é o seu amigo?
                -O nome dele é Zair, ele que me ajudou a te achar- Eu tinha esquecido que fadas podem voar.
                Alex olhou novamente para ele e notou algo estranho...Os olhos dele estavam castanhos, eles eram azuis...bem podia ser algo na luz...mas eles tinha mudado algo, pareciam olhos normais agora.
                -Vai ficar me encarando com essa cara de bobo moleque?
                Daniel mudou seus olhos azuis, Lovely com certeza iria reconhecê-lo. Os olhos foram as únicas coisas que não haviam mudado, talvez por que eles faziam parte dos seus poderes. Mas isso não importava, com os olhos castanhos ninguém se apaixonaria por ele, mudando a aparência ninguém reconheceria ele, e como agora era um parte humano, poderia se misturar com as outras pessoas.
                -Acho que nunca te vi por aqui, você é novo?- Lovely perguntou
                -Sim, eu sou.
                -Você vai adorar esse lugar, vamos mostrar tudo por aqui, não é Alex? Vamos voltar para a escola.
                Daniel nunca tinha visto tantas pessoas do mundo mágico em um só lugar, tantas fadas, feiticeiros, sereias e bruxas. Da ultima vez que tinha visto Magictopia, ele ficou preso em uma sela, ouvindo Lovely reclamar sobre o que ela poderia estar fazendo ao invés de estar presa lá.
                -Não é lindo?- Ela disse- O pátio da escola é o meu lugar favorito, tem uma fonte com mesa para as sereias, e pelo que a Marina falou, tem mesas lá no fundo da fonte iluminadas com peixes que brilham, ali tem mesas que flutuam bem lá no alto, para nós fadas, assim o chão não fica lotado.
                -Assim os alunos que não tem asas nem caudas, como eu, ou feiticeiros podem ficar aqui no chão. Em cima das árvores, ou nas mesas normais. Mas um dos lugares mais legais é a sala de lutas, é lá que nós treinamos as habilidades em lutas. Ou qualquer outra coisa que precise de força.
                -LOVELY- Ice gritou- Finalmente você chegou, preciso de ajuda.
                -Ajuda?
                -Eu tenho que lutar com mais uma pessoa, mas ninguém quer lutar comigo.
                -Por que será?-Alex disse revirando os olhos
                -Mas e a Samanta, e a Giovana?
                -Eu já lutei com elas, e ganhei- Ela disse convencida- Mas a professora disse que eu preciso de mais uma luta.
                -Eu luto com ela- Zair disse, era só uma fada do gelo de 13 anos, qual seria o problema? Ele pensava.
                -Você? Quer Lutar contra a Ice?
                -Claro- Ele disse tranquilo
                -Foi um prazer te conhecer Zair, vou sentir a sua falta- Alex disse.
                Os dois foram para a Arena, tinha vários aluno sentados para assistir, Kaila estava lá, Alex e Lovely se sentaram ao lado dela, dali ela ouvia os comentários.
                -Ele por acaso é suicida? Ninguém nunca derrotou a Ice!
                -Mas e a Samanta?
                -Isso é um boato, duvido que ela teria derrotado a Ice.
                Lovely teve vontade de rir, ela sabia que era verdade, mas até hoje ninguém acreditava.
                -Acho que a Escola inteira está aqui- Kaila disse.
                -Não se preocupe Kaila, qualquer coisa eu paro a luta.
                -Até parece que uma fada das flores como você poderia deter uma luta da Ice, ta pensando que é quem?- Marina disse.
                -Me diz ai Kaila, por que ela sempre está por perto?
                -Não liga pra ela Lovely a luta vai começar
                O que ninguém tinha notado era que Zair não tinha nenhuma arma amuleto, mas Ice tinha uma espada que cortava TUDO. Ela tirou o hachi dos cabelos que virou uma espada.
                Ela correu em direção a Zair, mas ele a arremeçou, talvez tivesse machucado se ela não soubesse voar.
                -Como algo tão pesado consegue voar?
                -Essa não!!!-Alex, Kaila e Lovely disseram juntos.-Ele tá morto.
                -Por que?- Marina perguntou.
                -Ele falou a palavra proibida- Alex explicou- Lovely, vamos precisar da sua ajuda.
                -Tudo bem- Ela disse tirando o prendedor de cabelo que se transformou em um arco e flecha.-Kaila, diga alguma coisa para me deixar triste.
                -O que vai fazer Lovely? Vai lançar uma flecha e fazer os dois se apaixonarem?- Marina continuou provocando
                Enquanto isso Ice tinha arremessado Zair pelos ares.
                -Puxa, eu não sabia que feiticeiros voavam- Alex comentou.
                Ela cortou a lateral do peito dele enquanto ele estava no ar e deu um soco que o jogou no chão.
                -Rápido Kaila!!!!- Lovely gritou.- Pensa em alguma coisa.
                -Patético, deve ser por isso que não tem namorado, a fada mais estranha da escola- Marina continuou.
                -Olha! Não é que a Marina serve para alguma coisa?- Lovely disse lançando a flecha, que atingiu Zair que ficou paralisado com a flecha de tristeza
                -Que mira horrível!
                Ela lançou mais uma flecha atingindo Ice, que caiu paralisada no chão.
                -Foi mal Zair, passa depois de um tempo.

15 de janeiro de 2012

Mitologia: Gargulas

Gárgulas são monstros de pedra que protegem um certo lugar, castelos, igrejas etc... Antigamente se acreditava que eles ganhavam vida durante a noite.
Existe uma lenda que dizia que duas gárgulas ficavam na porta para a cidade de Amiens, se uma pessoa má tentasse entrar na cidade, eles cuspiam veneno nela, se uma pessoa boa aparecesse eles cuspiam ouro e prata (não é por nada não, mas eu não gostaria que cuspissem ouro e prata em mim, deve machucar).
Outra historia diz que as gárgulas eram parentes de um dragão, que devorava barcos e causava inundações, até que um sacerdote cristão o dominou e o queimou numa fogueira (não, ele foi queimado no fundo da lagoa), só a cabeça e o pescoço eram imunes ao fogo, por isso ele foi colocado no alto de um edifício para ninguém se esquecesse dele.
As gárgulas que vemos nas construções antigas, na verdade são decorações feitas para esconder o escoamento de água, como se fosse uma decoração que servia também como cão de guarda para afastar os maus espíritos.
Seguindo essa mesma linha acho que tem uma escultura aqui em casa que é tão assustadora quanto um gárgula e também serve para afastar os maus espíritos (entre outras coisas).
Acho que se chamam carrancas, minha mãe e meus tio colocavam perto de lugares perigosos para agente não entrar, como perto da escada. Minhas primas morriam de medo dela, mas eu já tinha perdido o medo há muito tempo, e fiz as minhas primas perderem também.(O que não deixou minha mãe muito feliz)
Bem para mim as Carrancas e as gárgulas são muito parecidas, as duas servem para proteger e para decorar, as duas tem uma cara nada amigável e eu tinha medo daquela coisa criar vida e entrar no meu quarto
Talvez semana que vem eu fale mais delas

14 de janeiro de 2012

O casamento da borboleta negra- Capitulo 4


                Mais tarde Diere estava treinando o seu faro com Pegasus e Lovely, Ela já sabia se transformar em quase todos os tipos de animais, mas precisava treinar as habilidade separadas, como ter a visão de uma águia e ao mesmo tempo poder enxergar no escuro, enquanto corre na velocidade de um guepardo, para ficar mais fácil, ela só teria que encontrar a Lovely.
                -Muito bem, Diere, Lovely vai sair correndo e daqui a 15 minutos você vai procurar ela, com o cheiro dessas flores não deve ser tão difícil.- Pegasus relinchou.
                -Ei, Diere, Lovely, o que estão fazendo?- Alex perguntou enquanto passava.
                -Eu vou me esconder e a Diere tem que me achar usando o faro dela.
                -Posso tentar?- Ele perguntou
                -Claro, vamos ver quem vai me achar primeiro.
                -Vampiros são caçadores natos, seu faro é melhor do que qualquer animal, eles são muito rápidos, seria impossível uma fada dos animais achar a Lovely primeiro- Pegasus disse para Diere.
                Os dois foram vendados e Lovely saiu voando para a floresta, 15 minutos depois eles tiraram a venda e saíram correndo, como Alex era mais rápido ele se separou de Diere. Algum tempo depois Alex estava correndo quando esbarrou em um estranho.
                -Desculpe, eu não te vi- Ele disse
                O estranho se levantou tirou a terra da roupa e olhou para Alex. O cabelo dele era loiro, tinha um rosto fino e era alto, Alex notou algo de estranho nos olhos azuis dele, alguns vampiros conseguem atrair as suas presas com um algo no olhar, ele era um vampiro? Não, o estranho abriu a boca para falar algo que Alex não prestou atenção, ele não tinha nenhum canino afiado.
                -Ei! Garoto, eu lhe fiz uma pergunta. Qual o seu nome?
                -Ahn? Ah, desculpe, meu nome é Alex, e o seu?
                -Meu nome é...
                Não conseguia acreditar, tinha mudado a aparência mas se esqueceu de pensar em um nome falso, tudo bem, varias pessoas daqui usam nome falso que tem a ver com os seus poderes, ele só precisava pensar um pouco, eu elemento principal eram as raízes, raiz, isso meu nome será Zair.
                -Zair! Meu nome é Zair.
                -Nunca vi alguém demorar tanto tempo para lembrar o próprio nome, e olha que eu já conheci muita gente, é claro que eles gaguejavam, mas era de medo. Você por acaso viu uma fada por ai? Eu tenho certeza que ela está por aqui, mas não consigo achar.
                -Já procurou em cima das árvores?- Zair perguntou
                -E por que ela estaria em cima de uma árvore se ela não sabe escal... É mesmo, ela tem asas, como eu não lembrei disso?

11 de janeiro de 2012

O casamento da Borboleta negra- Capitulo 3


                -Falando nisso- Lovely disse tirando algumas flores do cabelo. - Uma para você, para você e para você- Ela disse entregando as flores.
                -Por que está me dando isso? Ficou louca?!!!!- Ice disse surtando
                -Não bobinha, é por que você é a minha priminha e eu te adoro- Lovely respondeu sorrindo.
                -Não se preocupe, essa é só a primeira fase depois ela volta o normal, e as flores somem em uma semana.- Kaila disse- mas Lovely, por que está tão feliz?
                -Ah! Eu quase esqueci! Lembram da antiga mestra da Giovana? Ela vai se casar!!!! Aqui!!!! Em Magictopia!!!!!
                -Por que não disse antes?!!!! Vamos ter um casamento!!! Isso é tão legal!!!- Diere disse- E a Giovana?
                -Ela vai ser a madrinha , a e mais uma coisa, a noiva está grávida, por isso vai se casar aqui.
                -E o que isso tem a ver?- Ice perguntou
                -Quando fada ficam grávidas elas devem poupar energia, e usar magia gasta muita, por isso antigamente elas se casavam com quem podia protegê-las, o que na minha opinião é muito estúpido, se casar por amor é um motivo muito melhor, mas de qualquer jeito a Giovana não acha que o noivo possa proteger ela caso seja atacada por alguma coisa.
                -A Giovana também é uma paranóica. - Ice disse
                -Quem é paranóica Ice?
                Giovana estava parada atrás de Ice, ela usava um vestido longo e branco.
                -Giovana? Você...e-está de vestido?
                -NEM ME LEMBRE!!!!! E QUE CHEIRO É ESSE? Ele me faz ficar feliz usando esse vestido estúpido.
                -Rosas felizes para sempre- Kaila disse
                -Ah, ótimo, agora alem de eu ter que usar esse vestido ridículo essas flores vão enfeitar o castelo.
                -Não fale assim dos meus vestidos Giovana, um vestido de fada madrinha é o vestido mais valiosos do mundo, esse foi feito com fios de nuvem, difícil de trabalhar se você não é uma fada da água, mas é um dos mais leves e confortáveis.-Karim disse
                -Eu odeio usar vestidos- Ela disse-  não podia ser preto?
                -Hum... Lovely o casamento vai ser de dia ou de noite?
                -Acho que vai ser de noite.
                -É um vestido preto ficaria melhor...hum, que material eu vou usar?...
                -...Tecido?- Ice disse como se fosse algo obvio
                -Não, isso é muito simples, algumas fadas daqui conseguem transformar qualquer coisa em material de roupas, como as fadas da água que transformaram as nuvens em fios.
                -Que tal seda de fantasma? Tipo, é delicado e leve como fio de nuvem –Lovely sugeriu- É muito difícil de se conseguir você terá que ir até a casa mau assombrada.
                -Deixa que eu vou- Giovana se ofereceu- tudo para não usar um vestido de nuvens.
                -Bem, acho que vou planejar o vestido da noiva, alguém vai querer o vestido de nuvem
                -EU!!!!!!-Lovely e Ice gritaram
                - O vestido combina muito mais comigo, afinal sou uma fada do gelo, e a neve cai das nuvens.
                -Tudo bem Ice, pode ficar com o vestido- Lovely disse
                -Tinha que ter um lado bom nessa coisa de você ficar generosa. Valeu, você é a melhor prima do mundo.

9 de janeiro de 2012

O casamento da borboleta negra- capitulo 2


                -Olha Ice, que flores lindas!!!- Diere disse se aproximando para cheira-lás
                -Não cheire essa flor- Ela disse empurrando a fada dos animais.
                -Por que não?
                -Essa flor é o sinal de que algo terrível vai acontecer, só faltam mais dois sinais. E se você cheirar ela  controla o seu cérebro.
                -Ice, não acha que está exagerando?- Kaila disse- É só...
                -Não, isso é terrível, faz muitos anos que não vejo uma flor assim.- Ice falou interrompendo Kaila
                -Mas Ice- Diere disse preocupada- quais são os outros sinais?
                Uma musica alegre começou a ecoar pelos corredores, ela combinava perfeitamente com a sensação que a flor dava.
                -Essa é o segundo sinal- Ice disse correndo em direção a musica.
                -Mas é tão alegre.- Diere disse começando a dançar
                -Exatamente. Vamos!!!!- Ice gritou enquanto balançava Diere para ela parar de dançar.
                -Mas como vamos impedir a tal coisa horrível?
                -Não se impede, é impossível!!!!
                -Ice, deixa de ser dramática, é só...
                -Kaila você é muito pequena para entender a gravidade da situação.
                As três seguiram na direção do quarto de Lovely a medida que chegavam perto mais flores pareciam, quando entraram no quarto de Lovely ela estava dançando aquela musica com flores crescendo no cabelo, enquanto dava piruetas no ar dançando.
                -Essa é a coisa horrível?- Diere olhou para Ice não acreditando que ela tinha feito  correr pelo castelo.
                -Não, esse é o terceiro sinal
                Lovely se deu conta da presença das três e voou em direção a elas abraçando Ice primeiro.
                -ICE!!!! Como é bom te ver , o dia não está lindo?
                -Essa é a coisa horrível- Ice disse tentando não ser sufocada.
                -Oi Kailinha, você é tão fofaaaaaaa- Ela disse abraçando Kaila e depois indo abraçar Diere.
                -Quando a Lovely fica muito feliz essas flores começar a crescer no cabelo dela e o cheiro trás uma sensação boa, que dá vontade de dividir esse sentimento com todos, por isso as flores se espalham pelas paredes, mas como a Ice não gosta quando a Lovely abraça ela, ela odeia essa flor.
                -Por que não arranca?- Diere perguntou
                -Porque ela é impossível de ser arrancada, só se você for dar ela para uma pessoa que você ame.- Ice disse- Nesse ritmo elas vão cobrir todo o castelo.

8 de janeiro de 2012

Mitologia: Hipocampos

Hipocampos são cavalos do mar, não aqueles pequenos e fofos, são cavalos com cauda de peixe, assim como as sereias e os tritões, seus cascos possuem barbatanas, cavalgam nas ondas como um cavalo cavalgaria nos campos, possuem branquias para respirar embaixo d'água. se alimentam de algas nas águas quentes.
Antigamente se dizia que a carruagem de Poseidon era puxada por esses cavalos. Poseidon os criou a partir da espuma do mar, ele é parecido com o cavalo marinho, e para os que não sabem o nome cientifico do cavalo marinho é hippocampus por causa da lenda. Eram a montaria de nereidas, sereias e tritões.
É muito difícil se domar um, assim como a maioria dos animais mágicos.

7 de janeiro de 2012

O casamento da Borboleta negra- Capitulo 1


                -Qual o problema Daniel? Está zangado por que agora voltou a ser humano?- Um garoto ruivo disse tentando irrita-lo
                -Leandro, já pensou em calar a boca pelo menos uma vez na vida?
                -Não fique zangado, só estou aqui para ajudar.
                -A única coisa que eu preciso é de um jeito de me aproximar de uma certa fada e cravar uma faca no coração dela.
                -Isso vai ser difícil, pelo que eu ouvi falar você perdeu a sua espada
                -Como sabe de tudo isso?
                -As noticias correm, Daniel, um dos feiticeiros que abandonou a sua parte humana para se tornar mais forte foi derrotado por uma fada das flores. Mas não foi para isso que eu vim, bem senti um pouco de pena de você, por isso eu vou lhe dar isso.
                Ele colocou um vidrinho na frente de Daniel, ele examinou e ficou um tanto espantado.
                -Isso é...
                -Exatamente, uma poção de disfarce, aquela que você estava dizendo que ia fazer.
                -Por que não me entregou quando eu precisava!!!!!!
                -Pensei que soubesse fazer qualquer tipo de poção e não precisassem de ajuda
                -Me dá essa droga de poção.- Daniel disse pegando o vidro
                -Agora é só criar um nome falso, entrar em Magictopia e agir como um aluno normal até ganhar a confiança de Lovely, depois é só mata-lá com essa faca- ele disse colocando uma faca na frente de Daniel- está envenenada, tome muito cuidado com ela.
                -Deu para se importar com as pessoas Leandro? Como conseguiu sentimentos de novo, também voltou a ser humano?
                -Ora, me poupe, nunca seria tão descuidado quanto você, ordens superiores, eles não querem perder um dos feitiçeiros mais fortes deles.
                -E se ela me reconhecer?
                -O único jeito de alguém daquele mundinho ridículo te reconhecer era se você não fosse humano, o que não é o caso, o resto a poção cuidará de tudo... Mais uma coisa, eles usam aqueles amuletos para se reconhecer, aqui está o seu.
                Daniel pegou o amuleto em formato de estrela, era hoje que ele teria a sua vingança.
                Ice andava pelos corredores do castelo junto com Diere e Kaila, quando algo começou a incomodar a fada do gelo, um cheiro doce, suave, e que dava vontade de sair flutuando por ai dançando e cantando, ou ser gentil com as pessoas, um cheiro que só se igualava a mais poderosa poção do amor, mas Ice teve certeza que não era uma poção quando avistou uma flor crescendo na parede do castelo, uma flor com pétalas vermelhas na parte de fora, depois rosadas e no centro as pétalas ficavam pontudas parecendo uma estrela, ela sabia que flor era aquela e isso fez o seu sangue gelar.